u4chq9doA juíza da 7ª Vara Criminal de Cuiabá, Selma Rosane Santos Arruda, ouviu o ex-deputado José Riva, na tarde desta sexta-feira (31), na ação penal relacionada a “Operação Imperador” que investiga um esquema que teria desviado R$ 62 milhões dos cofres do Legislativo.

Riva revelou que os governos do falecido Dante de Oliveira e do atual ministro da Agricultura, Blairo Maggi (PP), pagavam propinas, um total de R$ 37,5 milhões para deputados, no intuito de ter o apoio deles na Assembleia Legislativa. 

O ex-parlamentar contou que no final do governo Dante, Blairo Maggi tinha um discurso duro com relação a Assembleia, tanto que foi eleito com minoria. Em razão disso, conforme ele, alguns parlamentares temiam parar de receber o ‘mensalinho’ que Dante supostamente pagava. 
 
“Deputados me procuraram pra saber se continuariam recebendo propina igual ao governo anterior, que era restrito à bancada. Aí começou o governo Blairo e ele falou que não ia continuar com isso. Ele estava disposto a passar um valor para a Assembleia, mas que fosse para passar a todos os deputados, para ajudar o governo na Assembleia”.

“Nesse período [2003 a 2004] foram movimentados R$ 1,1 milhão. Em 2005 aumentou para R$ 3,4 milhões. Em 2006 foram R$ 6 milhões. Em 2007, quando era presidente o Sérgio Ricardo [atual conselheiro afastado do TCE], R$ 12 milhões. Em 2008, R$ 15 milhões”.
 
Riva disse que era o responsável por distribuir os valores aos deputados, juntamente com o ex-vice-governador Silval Barbosa (PMDB). Segundo Riva, o mesmo esquema continou quando Silval foi eleito governador. Além deles, também fazia a distribuição o ex-secretário de Finanças da Assembleia, Edemar Adams (já falecido).

16h37 – A juíza perguntou sobre a periodicidade dos supostos pagamentos feitos por Blairo aos deputados.
 
“Tanto ele quanto o Silval repassaram. Quando algum deputado era mais duro com o governo, ele [Blairo] pedia pra conversar com ele. Eram pagamentos mensais”.
 
Selma Arruda questionou se Riva também se beneficiou com os repasses. 
 
“Sim. Eu recebia, gastava com o gabinete, mas também em benefício próprio. Eu conversei com meus advogados: ou eu falo tudo ou eu não falo nada, não vou chegar aqui e falar pela metade. Gastei com uso pessoal. Esse pagamento já acontecia no governo Dante, veio para o governo Blairo e foi até o fim do governo Silval”.

Mais deputados envolvidos no esquema  

Quanto ao esquema objeto da ação, Riva afirmou que outros deputados também assinavam que estavam recebendo materiais que nunca foram entregues. 
                      
‘Mas não era 100%. Teve deputado que assinou e recebeu o material. A forma de manter o sigilo era dessa forma: receber os materiais pela secretaria geral. Todos sabiam, ninguém assinava nada enganado”.   
 
Riva disse que esquema semelhante envolveu vários deputados e mais de 40 empresas. A lista , segundo ele, foi entregue ao Ministério Público Federal *(MPF).
 
“Quero deixar bem claro que é uma situação que me arrependo de verdade. Não queria ter feito, tomei a decisão errada, infelizmente. Quero prestar contas com a sociedade, não roubei R$ 500 milhões, mas participei desse esquema”.

Riva diz que se arrepende de verdade por tudo que fez. Riva conta que Pivetta lhe avisou que quando desse algum problema todos iriam abandoná-lo. Ele diz que deseja prestar contas a sociedade do que não roubou que foi beneficiado com R$ 500 mil no esquema. 

Veja a lista de quem recebeu propina das mãos de Riva:

– Silval Barbosa
– Sérgio Ricardo
– Mauro Savi
– Dilceu Dalbosco
– Campos Neto
– Airton Português
– Alencar Soares
– Carlão Nascimento
– Pedro Satélite
– Renê Barbour
– Zeca D’Ávila
– José Carlos de Freitas
– Eliene Lima
– Carlos Brito
– Sebastião Rezende
– Zé Domingos
– Wallace Guimarães
– Percival Muniz
– Nataniel de Jesus
– Humberto Bosaipo
– João Malheiros
– Gilmar Fabris
– José Domingos
– Wagner Ramos
– Adalto de Freitas
– Nilson Santos
– Juarez Costa
– Walter Rabello
– Chica Nunes
– Guilherme Maluf
– Ademir Bruneto
– Chico Galindo
– Antônio Brito